AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA NA MIRA DA IMPRENSA ILUSTRADA

  • Ivete Batista da Silva Almeida

Resumo

Compreendendo as representações como sintomas de uma época, como nos sugere Sandra Jathay Pesavento (1999), pretendemos analisar as representações do candomblé e da umbanda, e de seus praticantes, nas fotorreportagens dasrevistas Cruzeiro e Manchetena década de 1950, objetivando compreender, por meio de tais representações sociais, o estatuto concedido pela sociedade às religiões de matriz africana no Brasil. Cercadas por uma linguagem visual e discursiva que as representava praticamente como aberrações. As cerimônias e os praticantes de religiões de matriz africana no Brasil passariam a frequentar as páginas de revistas ilustradas não para informar aos leitores sobre as particularidades e valores daquela cultura, mas apenas para entreter, utilizando a máscara do desconhecido para alimentar a curiosidade, a ignorância e consequentemente, o preconceito.

Palavras-chave: Imprensa Ilustrada. História Visual. Cultura Brasileira de Matriz Africana.

Abstract

Understanding the representations as symptoms of an era, as suggested by Sandra JathayPesavento (1999), we intend to analyze the representations of candomblé and umbanda, and their practitioners, in the photo reports of the magazines Cruzeiro and Manchete in the 1950s, in order to understand, for through such social representations, the status accorded by society to the religions of African origin in Brazil. Surrounded by a visual and discursive language that practically represented them as aberrations. The ceremonies and practitioners of religions of African matrix in Brazil would happen to frequent the pages of illustrated magazines not to inform readers about the particularities and values ​​of that culture, but only to entertain, using the mask of the unknown to feed curiosity, ignorance and consequently prejudice.

Keywords: Ilustrated Press. Visual History. Brazilian Culture with an African Matrix.

 

Biografia do Autor

Ivete Batista da Silva Almeida

Doutora, mestre e licenciada em História Social pela Universidade de São Paulo. Professora Adjunta da Universidade Federal de Uberlândia. Líder do Grupo de Pesquisa Estudos Negros – CNPq-UFU. Área de concentração das pesquisas: Representações, História visual da Cultura afro-brasileira e da Cultura africana. Pesquisa financiada pela FAPEMIG.

Publicado
2019-03-29
Seção
Dossiê Religiosidade indígena e afro-brasileira